A asma e a convivência nas escolas

O ano letivo já reiniciou e as crianças retornaram às aulas. A asma, conhecida popularmente como bronquite alérgica, ou simplesmente bronquite, afeta uma parcela significativa de crianças brasileiras. Não é raro portanto, ter em uma sala de aula pelo menos um aluno com asma.
O que é a asma? Trata-se de uma doença de origem genética (hereditária), que pode surgir em qualquer idade e que se manifesta de formas variadas, desde sintomas discretos até formas graves que interferem de forma significativa na vida da criança.  Os sintomas principais são: falta de ar, dificuldade para respirar,  tosse, expectoração, chiado, sensação de cansaço. É importante ressaltar que o tratamento adequado pode controlar a doença, evitar as crises e permitir uma vida normal à criança. 


Como a escola pode ajudar?
A escola não substitui a família no cuidado com a criança, mas tem papel importante no apoio e na integração do asmático ao meio social.
Atitudes saudáveis como evitar fatores com potencial de provocar crises no ambiente escolar, permitir o uso da medicação nos casos indicados, estimular a integração e a participação nas atividades escolares, certamente refletirão positivamente no resultado do tratamento médico. 

Crianças com asma podem fazer educação física?  
A participação nas aulas e nos esportes é importante para integração no meio social. Contudo, como a asma se manifesta de forma e intensidade diferentes em cada pessoa, é importante que sejam levadas em conta as características individuais da doença.  
O aluno com a asma bem controlada pode participar normalmente das atividades escolares.

O tratamento médico adequado, aliado ao esclarecimento da família, professores e equipe escolar, são medidas essenciais para que a doença não interfira no aprendizado, nas atividades físicas e no relacionamento social infantil.
Histamina é o nome da substância química mais famosa envolvida nas reações alérgicas. Quando a histamina é liberada, provoca dilatação e inchação dos vasos, bem como aumento secretivo e coceira. No caso da rinite, a presença da histamina ocasiona coceira, espirros, coriza e bloqueio nasal. Na urticária provoca placas avermelhadas com muita coceira na pele. Na alergia ocular, resulta em coceira, avermelhamento e irritação da conjuntiva dos olhos. Na dermatite atópica pode ajudar no controle da coceira, que é intensa e prejudica a pele, agravando a doença.
Desde a década de 30 observou-se que era possível aliviar os sintomas da alergia usando remédios que antagonizassem com a histamina. Mas, só na década de 40 foi lançado o 1º remédio anti-histamínico. Desde então, o conhecimento só fez crescer e hoje dispomos de muitos remédios com esta finalidade.
É importante lembrar que a histamina não é exclusiva da alergia pois participa também de outras doenças. Por isso, hoje existem anti-histamín…

WPeMatico

Antiques

AdSense

Find More